No dia 29 de setembro é comemorado o Dia Mundial do Coração. A data, que foi escolhida pela Federação Mundial do Coração (World Heart Federation), tem como principal objetivo alertar sobre os perigos que atingem o órgão e o que deve ser feito para prevenir ataques. De acordo com pesquisa realizada pela Organização Mundial da saúde (OMS), as doenças cardiovasculares são as principais causas de óbitos no mundo. Cerca de 17,7 milhões de pessoas foram vitimadas em 2015, o que representa 31% de todas as mortes em nível global.

E você sabe o que são doenças cardiovasculares? São uma classe de enfermidades que atingem o coração e também os vasos sanguíneos. As mais conhecidas são: doença arterial coronariana (que inclui o infarto), pressão alta, parada cardíaca, insuficiência cardíaca, alteração nos batimentos cardíacos (arritmia), doença arterial periférica, derrame cerebral (AVC), cardiopatia congênita, entre outros.

As pessoas que mais tem probabilidade de desenvolver algum tipo de problema no coração são: as sedentárias, que se alimentam mal, fumam, possuem colesterol elevado, diabéticos, as que tem um nível de estresse alto ou com histórico da doença na família.  Esse grupo de risco deve ficar atendo a saúde, uma vez que os problemas no coração não surgem de uma hora para outra. Algumas delas vão se desenvolver ao longo dos anos e só serão identificadas após exames específicos como o eletrocardiograma.

E como identificamos os principais sinais de algo não vai bem? Tonturas, pressão alta, cansaço, falta de ar em estado de repouso, palpitações ou alterações no ritmo cardíaco, inchaço e dor na região das pernas, alteração de cor na ponta dos dedos ou nas unhas. Esses são alguns sintomas que merecem atenção redobrada e uma visita regular ao médico.

A melhor forma de prevenção e tomar conta da alimentação, não exagerar no sal, na gordura e redobrar os cuidados com bebidas alcoólicas, pois esses componentes funcionam como estimulante, o que pode piorar os quadros hipertensivos, arritmias e infartos, e também como um vasoconstrictor (provoca a diminuição do diâmetro das veias e artérias).

Portanto, fique sempre atento aos sintomas e procure ajuda médica. Faça exames regularmente, pratique atividade física e evite os excessos, principalmente se já existem casos de doenças no coração na família. É melhor prevenir do que remediar.  O que no caso de uma enfermidade no coração, pode não dar tempo de cuidar.

 

*Texto por: Dr. Pedro Rubens Pereira Junior, coordenador de Cardiologia do Pronto Atendimento adulto do HSANP.

Leave a reply